Hinode: lavagem cerebral

Há algum tempo, um conhecido me chamou no Facebook para fazer uma proposta. Ora, o que será, pensei com meus botões: será que é agora que ficarei rico? Passei o número do celular para ele (confiando em sua honestidade) e horas depois começou a mandar mensagens pelo WhatsApp falando sobre uma marca de produtos cosméticos que, sendo um associado, garantia 100% dos lucros. Foram dois dias tentando marcar uma reunião. A insistência foi tanta que no terceiro dia incorporei o Drácula das trevas e disse: “Meu querido, obrigado por pensar que eu, um reles mortal, fosse se interessar pelo incrível trabalho que vocês realizam. Tenho três colunas para abastecer semanalmente, meus trabalhos acadêmicos estão todos atrasados e meu cachorro chora por atenção, você entende não é mesmo?”. Insistiu mais um pouco dizendo que não era pirâmide. Então incorporei o vilão de vez parei de responder suas mensagens pelo WhatsApp.

Duas semanas seguintes encontrei outro conhecido na rua e papo vai papo vem, começou a falar sobre uma marca que por ventura não é pirâmide também. Conheço esse discurso, olhei pra ele e dei uma desculpa qualquer e sai correndo.

Semanas depois, chego ao meu trabalho e meu assessorado me apresenta um senhor aparentemente de boa índole. Desconfiar pra quê? Com uma xícara de café em uma das mãos, conversou sobre crise financeira, sobre o mercado de trabalho, enfim, um senhor interessante e antenado. Aos poucos, com seu jeito todo verborrágico, abriu sua bolsa e começou falar da Hinode. Naquele momento devia levantar da cadeira e finalmente me transformar no serial Killer, deixar claro minha paciência por encerrado e dizer chega. Chega dessa palhaçada.

Mas não foi essa educação que tive, então fiz um teatrinho que é o mais perto que posso chegar de um vilão de novela, e ouvi calmamente o jogo pretensioso dessa marca que mais aliena do que ajuda. Primeiro eles chegam com um discurso de milagre, que sua vida vai mudar, que sendo um associado aos poucos vai subir na pirâmide, como qualquer negócio.

Tem que ser muito iludido para acreditar que revendendo produtos Hinode chega-se ao topo da montanha. Os bem-sucedidos desse negócio são empresários que já têm seu público formado. Enquanto ganham seus milhões, fazem lavagem cerebral com palestras, que a propósito assemelhasse a uma pregação, apontando as formas viáveis para o sucesso e abusando da fé daqueles que têm a esperança de alcançar algum prêmio por mérito. Há inúmeras vias para o fracasso, poucos são para o sucesso. Tem que ser muito pretensioso para induzir alguém acreditar numa palhaçada dessas e mais ganancioso para acreditar.

Se por ventura conhecer alguém associado, fique se simpatizar com a ideologia. Mas corra se sentir desconfortável diante dos intercessores de Deus a serviço da própria empáfia. Não encontrei referências, mas assemelham-se a Testemunhas de Jeová ou qualquer religião que assim se anuncia.

Comments

comments

6 comentários em “Hinode: lavagem cerebral

  1. Passei por uma pressão psicológica tão grande que saí até zonza. Fui numa reunião depois de tanto minha amiga me chamar. Lá gostei da proposta, mas qdo foi falado no valor pra entrar já achei estranho. Não satisfeita no outro dia minha amiga começou a me ligar, e eu trabalhando, me mandar whats e eu disse q não podia atender e tal. De tanta insistência eu fui até a casa dela na hora do meu almoço pra saber qual seria a proposta maravilhosa q o líder dela teria pra mim. Passou um tempo ele chegou com outro cara e esse começou a fazer uma proposta ainda “melhor” e eu disse que não tinha dh e que não tinha cartão e que não tinha a quem pedir. E ele ta lá falando, insistindo até que ao final ele me pediu uma lista de possíveis pessoas que poderiam me emprestar o dh para ele poder ligar e pedir. Aí pra mim foi demais. Falei muita coisa pra ele e eles foram embora. Falei com minha amiga o constrangimento e a pressão psicológica que passei e não quero mais saber dessa Hinode na minha frente. Pena que ela está totalmente maravilhada com isso. Acredito que algumas pessoas conseguem ganhar um dh com isso, mas o problema é manter e aumentar sua rede e ainda mais fazer esse tipo de pressão pra que a pessoa entre de qualquer maneira. E outra o foco dele não são as vendas e sim colocar pessoas nas redes, porque assim um vai ganhando em cima do outro.

    1. Flávia, muito obrigado por compartilhar este comentário. É na pressão psicológica que a gente percebe quando estamos em perigo. Que bom que conseguiu perceber a tempo. Um beijo carinhoso. 😉

  2. Dizem que vai mudar a vida das pessoas meu que é negocio proprio meu esposo desempregado caiu nessa agora não quer trabalhar pra ninguém só vive indo em reunião e fazendo pesquisa de mercado sem ganhar nenhum centavo pq nem dinheiro pra comprar os perfumes ele nao tem mais está tão iludido que nem ver isso pior que isso causa brigas entre nós eu não concordo em ele está na hinode pior Coisa foi ele ter ido em uma reunião deles pq eles logo ilude com ganhos viagens e carros

    1. Olá, é uma situação um tanto complicada. Espero, profundamente, que seu marido consiga racionalizar os prós e os contras dessa “empresa”. Um abraço e obrigado pelo comentário.

  3. Sofro a mesma coisa e no meu caso e pior pois estou desempregado, eles pensam que a HINODE irá salvar a minha vida.
    Eles não entendem que cada um pode ser o que quiser e que ficar rico ou milionário não é prioridade para a maioria das pessoas.

    1. Olá, obrigado pelo comentário. Compartilho da mesma opinião: quem sabe o que é melhor pra nós somos nós mesmos. Desejo sorte. Abraço. 🙂

Deixe uma resposta