Para uma querida amiga

Tenho uma amiga que toda vez que me vê pede para eu escrever uma crônica sobre ela. “Cadê minha crônica?” É duro ouvir isso durante três anos. Três anos e meio para ser mais exato. A gente se conheceu na faculdade e depois de ler alguns dos meus textos despertou algo dentro dela que até hoje tento entender. Este ano me deu um xeque-mate: “Ou você escreve ou acabou a amizade”. 

Então lá vai eu escrever um texto para preservar a amizade. Espero que goste, caso contrário, vou ali à rua e esperar que um carro passar por cima de mim. Credo, ultimamente eu tenho sido muito trágico.

Mas voltando ao assunto, além de me obrigar a escrever o texto deu algumas condições. É uma abusada, acha que inspiração nasce assim, do nada. Pediu para que falasse do amor da vida dela (um garoto sem graça que conheceu há pouco tempo), ela vive dizendo que não é paixão, que é apenas uma quedinha.

Quedinha que nada. Outro dia liguei pra ela me encontrar porque o moço estava bem a minha frente, mas não acreditou. Então passei o celular para outra amiga falar com ela e convencer de que o dito cujo estava bem na minha frente mesmo, mas nada. Quando estávamos indo embora morreu de remorsos. Lamentou pelo fato de não ter visto o seu príncipe encantado.

Lembro quando estávamos em sala de aula (desculpe tinha que contar isso), toda vez que ele chegava eu a cutucava no intuito de provocar. Até que um dia nós estávamos conversando antes da aula (ela de costas pra ele e ele de frente pra ela) foi quando uma amiga sussurrou: “Olha quem está atrás de você”, ela o encarou sem disfarçar, e ele nada bobo, sacou tudo.

Eu disse pra ela abrir o coração, mas vê se me ouve? Outro dia me mandou mensagem dizendo que ele estava jogando bola perto da casa da tia dela, em São Paulo. Eu disse que era o destino, mas pra variar: não acreditou.

Bom, não teve começo nem final feliz. Ele segue a vida, hoje formado, enquanto ela ficou com a esperança do amor ser correspondido. Então decidi escrever esse texto falando dessa minha amiga porque hoje é seu aniversário.

Espero que fique contente com o texto e que não deseje jogar soda cáustica em mim pelo fato de expô-la dessa maneira. O que posso desejar depois de tudo isso? Que ele leia esse texto, mande uma carta ou mensagem pelo menos para dar os parabéns.

É… o amor não dá mole.

Querida amiga, espero que tenha gostado do texto, mas dá próxima vez que eu te ligar vê se me ouve e sai imediatamente de onde está. Vai que é sua chance.

Comments

comments

Deixe uma resposta