Vírgula ou ponto?

Toda vez que alguém me procura para falar de um problema pessoal, fico apreensivo, fico sem jeito e muitas vezes não sei o que dizer. A verdade é que me faltam palavras até para descrever a situação, e confesso que não gosto muito, porque a gente sempre vai olhar para o outro segundo a nossa experiência de vida; e, às vezes, a situação em que aquela pessoa está vai se deteriorando.

Recentemente, uma amiga veio conversar comigo sobre o casamento que estava de mal a pior, parecia que procurava em mim uma saída, foi quando sugeri para dar um tempo com ele. Depois fiquei pensando comigo: bela ajuda que você deu, hein, Leandro? Sugerir a uma amiga que ela se divorcie não é bem uma ajuda, convenhamos.

Um amigo também me chamou para um papo e contou seu dilema. Contou sobre as dificuldades em se relacionar porque cada um tem um tempo e uma forma diferente de encarar as coisas. Então, tentando ajudar de alguma maneira, eu disse: cada um tem um processo e, às vezes, o processo é lento mesmo. Ele respondeu: “Pois é, tem uma vírgula no meu ponto”.

Adoro metáforas para exemplificar a nossa realidade. Como era de se esperar, não consegui ajudar muito os dois, mas vamos adiante sobre os pontos e vírgulas. Extra! Extra!

Vírgula ou ponto, em que situação você se encontra neste exato momento? Você anda atropelando demais o relacionamento, não respeitando as vírgulas ou você está pulando as fases e querendo o ponto? As vírgulas geralmente dá a sensação de que tudo está pausado demais. Nada de sublime. Nada de amor. Nada. Tudo está um tédio. Nada sai do lugar ou você é apressado demais? Não há química ou sua ansiedade que não permite vivenciar os pequenos momentos?

Presumo que à maioria dos relacionamentos acontece algo meio que parecido: ou você está no ponto, ou você está na vírgula. Quem está na vírgula reclama das pausas: um dia quer te ver, depois nem atende ao telefone; um dia te chama de amor, depois nem lembra seu nome. Já quem está no ponto almeja o fim e tem medo, quer que o outro tome a iniciativa de dizer que tudo está acabado,  ou evita isso a todo afinco.

Se de alguma ajuda servir, talvez respeitar as pausas seja o começo para uma linda história de amor. Respeitar o momento do outro, entender que há dias em que não estamos pra conversa. Que às vezes nem é desinteresse, mas necessidade de ficar sozinho. De se sentir sozinho.

Um relacionamento tem 100% de chances de dar certo quando ambos respeitam as vírgulas e os pontos. Lembrando que o ponto final nem sempre denomina o fim, aquele fim que a gente sempre acha que vai acontecer; mas, na verdade, é somente um ponto colocado ali, sinteticamente, para começar apenas um novo parágrafo.

Comments

comments

Deixe uma resposta